O maior mestre de todos os tempos disse uma certa vez; “Eu vim lembrá-los dos “velhos” princípios que vocês insistem em não querer enxergar…”

Não poderia falar de “identidade” sem antes abordar sobre princípios; “regras  fundamentais e universais que definem uma sociedade civilizada no que se deve orientar”.

Um dos princípios mais conhecidos em termos de empatia, se chama “regra de ouro”- Faça aos outros aquilo que você gostaria que fizesse a você.

Se entendermos o completo significado do que acabamos de ler, nunca mais colocaremos outra pessoa em qualquer situação na qual, não gostaríamos de estar. Diminuiríamos expressivamente o número da desigualdade social, que tem afetado por séculos a raça humana. Seríamos mais complacentes e tolerantes uns com os outros. Pensar em nós mesmos e nos esquecer do nosso dever para com a nossa vizinhança, nossos irmãos ou nossos amigos não é observar a regra de ouro.

Você pode mudar a atitude dos outros em relação a você mudando primeiro sua atitude em relação aos outros.  

Não importa o que os outros estão fazendo, ou se eles estão aplicando a regra de ouro ou não. Não importam as injustiças e os erros do mundo. Nosso trabalho é dominarmos a nós mesmos fazendo o nosso melhor.

Mas qual a base padrão da regra de ouro?  

Amando o próximo como a nós mesmos. Porém, amamos de acordo com o parâmetro que temos de nós mesmos, relacionado com nosso meio, cultura, credo e experiências pessoais. De acordo com quem somos!

Minha identidade se resume em quem sou…

QUEM SOU EU?

Tudo que Deus criou, Ele criou com um propósito. Até mesmo o reino dos animais e das plantas, nada existe sem um propósito.

Cada ser humano foi criado por Deus, para viver uma vida com significado e propósito. Nós não fomos criados somente para fazer a vida.

Até que se descubra o propósito pela qual fomos criados, nunca seremos realizados. NUNCA! Ficaremos frustrados, desiludidos, cansados, murmurando e descontentes. Sem propósito, seremos influenciados pelas circunstâncias.

A pergunta mais poderosa no coração do homem é;

Quem sou eu?

Parece uma pergunta simples mas não é, ela é muito forte. Porque a maioria das pessoas não sabem quem elas são. É por isso que usamos outras pessoas, isso é chamado de “NOMES DE MARCA”. Por que não sabemos quem somos, usamos imagens de outras pessoas como; CALVIN KLEIN, GIORGIO ARMANI, entre outras. Nós usamos “outras pessoas” para nos sentir importantes, porque não sabemos quem nós somos. Cortamos o cabelo porque a moda dita as regras e queremos parecer na moda, igual a outra pessoa para nos sentir aceitos. Nós andamos, agimos e até pregamos como outras pessoas. Queremos imitar outras pessoas porque não temos identidade.